Filmes de merda!

Apr 27

Milano calibro 9 // Fernando Di Leo // 1972

Este ano tem sido um ano atípico para mim no que toca a filmes. O cansaço que a vida profissional me tem cravado na espinha e na cabeça tem me tirado a vontade de estar em frente a uma TV, e daí, talvez por estar a «consumir» cada vez , menos e menos material, purgo naturalmente toda aquela merda de filmes acabados de sair que normalmente só me deixam mal disposto e irritado.

Ontem depois de muita frustração por não se conseguir exibir a recomendação de Ronald Perrone - Massacre no Vale dos Dinossauros - acabei por pegar neste policial italiano de Fernando Di Leo. Di leo é um daqueles nomes que os fãs do western-spaghetti se habituaram a ver nos créditos, um género onde fez alguns roteiros muito interessantes. Mas o género em que o italiano faria realmente mossa, seria o policial europeu dos anos setenta.

Ainda antes da entrada dos créditos assistimos a uma movimentação de dinheiro da máfia que acaba por ser desviado. Os suspeitos são espancados e imagine-se, mandados pelos ares! Dessa selvajaria escapa Ugo Piazza que acaba na choldra antes de que lhe deitassem a mão. Mas ao cumprir a pena é imediatamente interpelado pelo gang que exige a entrega do soldo.

Milano calibro 9 é um  bom filme, mas a acção frenética dos primeiros minutos reduz-se consideravelmente no resto da fita, o que admito poder causar algum dissabor no agora lançado espectador. A verdade é que será num passo bastante lento que perceberemos afinal quais as implicações de Ugo no imbróglio. Mas sinceramente não acho que a coisa perca o interesse, e a culpa é de Mario Adorf, que entrega mais uma daquelas interpretações over the top que ninguém vai querer perder!

Mar 15

Emanuelle nera // Bitto Albertini // 1975

image

O sucesso dos filmes franceses da saga «Emmanuelle» rapidamente deram azo a um filão próprio no chamado cinema italiano de baixo orçamento. Este EMANUELLE NEGRA deve ter sido o primeiro desses produtos derivados, mas nos anos seguintes surgiriam mais umas dezenas de pseudo-sequelas, a maioria dessas protagonizados pela bela indonésia Laura Gemser, que ficou definitivamente agarrada ao papel.

Nestas versões transalpinas a sensualidade da saga original é elevada ao status softcore e nalguns casos mais ousados, ao porno. Este EMANUELLE NEGRA, por exemplo,  tem duas versões conhecidas, uma mais «light» e portanto dedicada ao fã habitual da saga original e outra versão mais alargada em que a selvajaria domina! Para minha surpresa a versão que o nosso querido CMTV exibiu recentemente é mesmo essa edição mais explicita.

Ora como se pode entender, o filme é realmente fraco. Mulheres bonitas e «dispostas» não faltarão mas um argumento real que una a trama, nem vê-lo. Para empatar o tempo Albertini usa e abusa de imagens da fauna e flora africana. No western-spaghetti chamamos a isto de cavalgadas abusivas, mas podem chamar-lhe «encher chouriços», se bem que num filme deste género isso soe a… badalhoquice!

Mar 07

Punisher: War Zone // Lexi Alexander // 2008

image

Em 2004, a febre das produções baseadas em personagens da Marvel já se tornava enervante para pessoas como eu. Todo e qualquer super-herói ganhava o seu espaço na grande tela, e não foi por isso estranho assistir também à aparição do «justiceiro». Infelizmente a imagem negra que o personagem da BD exigia em nada conseguida e apesar de que o filme tenha feito um encaixe razoável, uma sequela só chegaria quatro anos depois.

Nessa sequela vemos um Frank Castle agora já com alguns anos de actividade underground. O justiceiro limpa o sarampo a mais vilanagem que nunca, e felizmente para os fãs da personagem, a violência gráfica é agora bem explicita! Ainda assim lamento que o argumento seja tão básico e claro, que Tom Jane não tenha regressado ao papel. O coitado teria de forjar a sua própria «second chance» na curta THE PUNISHER: DIRTY LAUNDRY, que volto a recomendar!

Mar 02

Sei donne per l’assassino // Mario Bava // 1964

image

Alguém anda a matar as belas manequins da casa de «haute couture» da condessa Cristina. Os homens da firma são quase que automaticamente feitos suspeitos pela incisiva câmara de Bava, mas afinal: Quem matou?! A pergunta é a mesma que os Mão Morta faziam à exaustão no infame ”Chabala” e aqui em casa sempre que vemos um giallo, a pergunta ecoa-se tantas vezes ao longo dos filmes que parecemos um casal de idiotas! 

Idiotas não sei se somos, mas acredito que pelo menos somos divertidos e felizmente somos dois a gostar destes filmes esquecidos, evitando que durante a sessão um fique no canto a prender o burrico. 

Como é habitual na maioria dos filmes do maestro do terror italiano, perdoa-se-lhe esta ou aquela incongruência narrativa, que é rapidamente esquecida graças a uma fotografia tão cuidada, que admito, tira até alguma vontade de voltar ás bagaceiras de Joe D’Amato’s e afins.

Feb 26

INVENTÁRIO EUROCULT #10 -

Está por estes dias em destaque no potente Dementia 13, um texto deste vosso escriba em que selecciono alguns dos meus eurocult favoritos. Espreitem s.f.f.

Feb 23

Zombi 2 // Lucio Fulci // 1979

image

O sucesso da saga de George Romero lembrou aos italianos que era possível facturar também via imitação desse nicho de mercado. Os produtores sondaram inicialmente o maestro Enzo Castellari para o posto de realizador, mas o homem de IL GRANDE RACKET estava por esses dias mais interessado no cinema de acção e acabou por recomendar o amigo Lucio Fulci para o cargo. 

Fulci meteu mãos à obra e incrivelmente conseguiu injectar uma dose extra de interesse no género «zombie», propondo um enredo sem paralelo com os filmes de Romero mas arrisco-me a dizê-lo, superando a dose de interesse! O grafismo ultra-violento que é marca do realizador italiano está bem presente ao longo do filme e nem a bela Olga Karlatos, que alguns recordarão do grande western-spaghetti crepuscular KEOMA, escapou de um vazamento ocular extremamente macabro. Mas há mais, muito mais. Esperem por exemplo uma estranhíssima luta entre um morto-vivo e um tubarão! Um daqueles mimos, que só uma produção europeia arriscaria incorporar.

Resumindo e baralhando as coisas, se o género «zombie» vos diz alguma coisa este é o filme que deviam ver. Esqueçam por um momento a infindável série de WALKING DEAD e a estupidificação elevada ao quadrado do WWZ: GUERRA MUNDIAL.

Feb 22

Blastfighter // Lamberto Bava // 1984

image

Pensado originalmente como mais um filme pós-apocalíptico a coisa acabou entretanto por se transformar num bem mais rotineiro filme de acção. A direcção é de Lamberto Bava, filho do mestre Mario Bava, que apesar de não ter atingido o patamar do seu cota, lançou alguns filmes porreiros. Incluindo este aqui, que ainda que plagie bastante o primeiro filme da saga «Rambo» é suficientemente distinto e safa-se razoavelmente do estigma da imitação. Uma hora e meia bem passada, só isso!

Feb 08

Badges of Fury // Tsz Ming Wong // 2013

image

Parece que é oficial. Depois de Bruce Willis se chafurdar na merda com as suas ultimas aparições em filmes de acção de qualidade questionável, também Jet Li já reservou o seu lugar na imundice.

Li interpreta neste BADGES OF FURY, um policia em fim de carreira que tem de fazer parceria com uma equipa de cachopos. Ainda que Li ainda desfira aqui e ali uns bons sopapos, nota-se claramente a intenção em passar o testemunho à nova geração de actores asiáticos.

Na teoria tudo bem, mas o problema é que o filme roça a badalhoquice animada de um DRAGON BALL. Infelizmente sem grande piada.

Gen 25

Rolf // Mario Siciliano // 1984

Rolf - O Mercenário da Morte (The Last Mercenary) - Poster / Capa / Cartaz

Rolf abandona a vida de mercenário depois de uma missão mal sucedida num país africano. Na Turquia tenta viver uma vida tranquila enquanto piloto de carga mas nem a policia nem os antigos comparsas lhe dão descanso. 

O chefe da policia persegue-o regularmente - mais por ter dor de corno que propriamente por desconfiança de atividades ilegais do ex-mercenário - e os seus “amigos” querem à força que ele transporte droga para o negócio ilícito que mantêm. E sem surpresas acabará tudo à bulha!

Um enredo simples que talvez funcionasse como veículo de acção desmiolada nas mãos de um qualquer realizador em actividade nos anos oitenta, mas o degastado Mario Siciliano fez um trabalho péssimo e falhou completamente na intenção. Música de apanhar no próio, acção paupérrima, interpretações medíocres. Que perca de tempo, fónix!!

Gen 11

Combustión // Daniel Calparsoro // 2013

image

A fórmula esturricada de FAST AND FURIOUS continua a ser replicada um pouco por todo o lado. A última réplica vem ali do lado espanhol e já pode ser vista por aí. Esperem mais do mesmo: esquemas, carros rápidos e gajas com a libido em alta. Eu cá chamar-lhe-ia antes COMBUSTÃO FURIOSA, não resisti…

Dic 30

Dragon // Peter Chan // 2011

image

A pacatez vivida numa aldeia chinesa termina quando dois velhacos aprontam das suas ao passar pelo local. Os dois bandidos acabam por ser estranhamente eliminados por um artesão local (Donnie Yen) que assim se torna no herói da região. O feito despoleta uma investigação pelo detective Xu Bai-jiu, que vai fazer tudo para expor a verdadeira identidade do artesão.

Não sei bem como é que isto chegou ás salas de cinema portuguesas mas a verdade é que - mesmo com o devido atraso - aconteceu. Admito que não morro de amores por filmes de época chineses de contornos dramáticos mas este aqui agradou-me bastante. Recomendo!

Dic 28

Motorway // Pou-Soi Cheang // 2012

image

Imaginem a brigada de trânsito de Hong Kong em acção. Depois imaginem uma história de policias e ladrões, o assalto a uma joalharia por exemplo. Agora imaginem que se faz um filme com essas duas premissas a que se adiciona umas pitadas de DRIVE e de FAST AND FURIOUS. Et voilà… apresento-vos MOTORWAY!

Dic 27

Quelli della calibro 38 // Massimo Dallamano // 1976

image

Numa rusga o comissario Vanni atinge mortalmente um criminoso, mas o seu parceiro e irmão escapa jurando vingança ao policial. A família de Vanni acaba assassinada e o comissario sedento de vingança aceita liderar um esquadrão especial. Munidos de colts de calibre 38 e adversos ás tácticas convencionais da policia estes tipos abrem a caça ao «marselhês» e seu bando, que entretanto metem a cidade em polvorosa devido a uma série de ataques bombistas. 

A expectativa é uma coisa má. Elevar a altura da fasquia normalmente dá em desilusão. Foi mais ou menos isso que me aconteceu com este QUELLI DELLA CALIBRO 38, poliziesco interessante mas de ritmo demasiado lento para aficionados da saga do «commissario Betti».

Esperava mais deste Dallamano que já conhecia das parcerias com Leone e do estupendo western-spaghetti BANDIDOS. Mas diz-se por aí que antes de tecer opiniões definitivas sobre o trabalho do homem deveria deitar mão a um tal COSA AVETE FATTO A SOLANGE?

Dic 26

Ninja: Shadow of a Tear // Isaac Florentine // 2013

image

O cinema de acção tem por estes dias uma nova geração desesperada por preencher as lacunas deixadas pelos duros que nas décadas passadas partiam a loiça toda. Na linha da frente segue por ora o britânico Scott Adkins que parece talhado para ficar com o trono desses séries b. Neste filme, Adkins volta a trabalhar sobre a batuta do mestre do direct to video, Isaac Florentine. Uma equipa com resultados demonstrados na saga UNDISPUTTED e também, claro está, no primeiro capitulo da saga NINJA.

Sinceramente não morri de amores por esse primeiro filme da série, mas mesmo assim a presença destes dois tipos numa mesma produção conseguiu-me manter em grande expectativa. Lamentavelmente Florentine parece aqui unicamente focado na espectacularidade das cenas de pancadaria, esquecendo aquele bem fazer que nos habituou nos seus filmes anteriores. Deixando mesmo grandes buracos na narrativa do filme. Felizmente para ele, acredito que 99% das pessoas que irão assistir a NINJA 2 estão-se borrifando para pormenores e querem mesmo é ver Adkins a distribuir rotativos nas fuças dos seus inimigos. E isso meus amigos, está garantido!

Os mais difíceis de engolir no ano de 2013 na opinião deste escriba. Basta seguir o link para a minha conta do Letterboxd:
http://letterboxd.com/pedropereira/list/2013-os-piores/

Os mais difíceis de engolir no ano de 2013 na opinião deste escriba. Basta seguir o link para a minha conta do Letterboxd:

http://letterboxd.com/pedropereira/list/2013-os-piores/